music

domingo, 31 de janeiro de 2016

Pense! Tente! Prossiga!




"Será?"  Essa resposta só virá depois!!!
Dúvida? Mas pense!! Pense Bem!
Sempre haverá revide pra tudo...
Depois de iniciadas ações (no mínimo já envolve dois)
A vontade quê estavas em ti partiu, não é apenas daquém...
Fora do homem tudo, o que se ver é mundo!!

E no mundo há abastança de julgamentos...
Mas não são eles os donos do seu tempo!

A capacidade de pensar nos deu quem nós somos!
Antes de qualquer acerto (houve determinação) Vamos tentar!!
Toda ciência tem sua vanglória nas lembranças ,"Quanto nós Erramos"...
Depois de muitas vezes tentando, fomos tentados até aprendermos acertar!


"Será?" Essa resposta só virá depois!!
De nos esforçarmos por melhores acertos...
Pensamentos e tentativas, perduram e se aperfeiçoam entra as gerações!
Sempre tentando, vamos nos aprimorando...
E ainda assim nunca seremos completamentes perfeitos!


Pense! Tente! Prossiga!


 Autor:


Lourisvaldo Lopes da Silva
 

Amor a moda Antiga...



Sempre enfeitado com muita timidez
e era essencial, e indispensável,  aqueles olhares matreiros e aguçados
Como se estivessem respondendo...Talvez...?...
"Essa era, a moda antiga" (a moda dos apaixonados)


Não se desfrutava um sim, (com muita facilidade)
As palavras, eram muito bem respeitadas...
Tanto que para pronuncia-las exigia muita honestidade!
Essa quando chegava a sair, é porquê era Verdade...

Verdades estas para serem ditas
Com convicção na presença dos pais da moça!
E quanto mais vergonha ela tinha, (mais ficava mais bonita)
E as palavras com mais certezas ainda saiam da boca...

Do moço que de tão apaixonado...
(se fosse preciso faria tudo de novo)
O amor tinha seu preço justo a ser conquistado
(E cá entre nós não era tão fácil convencer um sogro) 


Mas não era preciso falar demais...
Desde que nas poucas palavras existissem certeza!
O fato de ser homem novo o rapaz
em nada diminuía a idade, no homem (a maturidade da nobreza)


Agora era só combinar os dias e horários dos encontros... : )
Compromisso muito serio entre os namorados!
Que sonhavam dia e noite com a igreja confirmando os dois... 
Caminho de flores (antes do casamento, era o noivado)
Depois de casados, primavera permanente no coração dos dois ...


Divórcio? Nome raríssimo muito pouco ouvido!
Apenas a morte desfrutava esse direito
na vida de um casal que havia se escolhido!
Amor a moda antiga (inesquecível) Perfeito!!!


Autor:


Lourisvaldo Lopes da Silva  

sábado, 30 de janeiro de 2016

confissões de Amor...


Mulher tu já sabes...


Mas preciso lhe falar algo...
Quê arde aqui dentro...
Que me faz sonhar tão alto...
Por este momento...

Quase todos os meus segredos...
Mau guardados, já lhos entreguei...
Apenas lhe falta saber de meus medos...
"Será aceito?" Todo o amor que a ti dediquei?


 Mulher...

Minha timidez foi vencida...
E todas as minhas duvidas morreram...
Uma única certeza tenho na vida
diante dela todas as incertezas desapareceram...


Saibas mulher...
" Quê eu te amo"


 Autor:


Lourisvaldo Lopes da Silva

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Trilhas da poesia...





O coração dos poetas a levam
A qualquer parte, aonde houver amor (é ali o seu mundo)
E aonde existir entrega Haverá festa!
"E as paisagens não são invenções"
São sentimentos espalhados  (oriundos)...
Cidades, mar, campos ou florestas
Tudo se torna propício diante das mais ousadas intenções!



Todas as mulheres que sonham são belas (belas adormecidas) a serem despertadas
Homens românticos são príncipes (príncipes encantados) a serem encontrados

A poesia conhece bem os caminhos dessa vida
esta caminhando em direção aos apaixonados!

"Se tudo o quê se procura acha...O seu grande Amor pode ser encontrado"


Em matéria de ousadia...
Não existe ninguém que seja tão pra frente
"Quanto a Poesia"
Desbrava sem medo coração de gente!


E capaz de aperfeiçoar o maior dos leigos
e de arrancar suspiros dos maiores gênios e eruditos...
Transforma qualquer historia mau contada, em belo reino!
"E dos corações endurecidos, faz surgir os sentimentos mais bonitos"


 Ela saiu a passear no coração dos poetas
foi espreitar os corações alheios!
"Vai haver sim uma grande festa"...
E só seguir as trilhas da poesia
"Que vai haver sim uma grande festa"
         "Todos os dias!" 


 Autor:


Lourisvaldo Lopes da Silva

Entardeceu vamos orar?



O dia passou...
Igual para todos...
"Não, o seu não foi o melhor"
"Não, o seu não foi o pior"
O pior foi para quem, ele não chegou...
O melhor será, o direito a um dia novo...

A noite vem...
Com, ou sem luar...
"Não, a sua não será a mais escura"
"Não, a sua não será a mais linda"
Nem será melhor, quê a de outrem ...
A melhor noite e a de todos, ela é a lua, e nós, somos o seu mar...


O dia passou...
Vamos orar...
Todos nós...Somos irmãos (irmãos pela fé)
Obras de um único criador (Filhos de um mesmo pai)
Quê escuta com atenção, aquele que orou...
"Então vamos!"  Orar... 

Momento de fé

Entardeceu vamos orar?

Lourisvaldo Lopes da Silva

 Amém


Salmos 141:2
Que minha oração seja como incenso diante de ti;
 minhas mãos erguidas, oferenda vespertina!







"Uma carta por um prato de comida"

 


Um famoso escritor, alcançou muita prosperidade,
e julgava ser muito mais do que suficiente!
Conquistado com muito amor ao quê ele fazia tudo que ele sabia "escrevia!"
Depois de haver prosperado no caminho das gentes
Encontrou com um enfado pesado, que lhe afugentará a paz!

Considerava que sua maior riqueza não estava na prata ou no ouro
Mas esta se encontrava dentro do seu coração e, na sua escrita!
Nas pequenas coisas pouco notadas e desprezadas extraiu os seu tesouros
Mas, havia um lamurio de dúvidas entre os esboços (que insatisfeitos cochicham)

Uma pergunta sem respostas pairava...
"Existe tais pequenas coisas entre os sentimentos ou apenas eu as vejo?"
Para o meio do povo a duvida apontava
Um desafio para um valente a frente de seus próprios  medos!

Em segredo (indagações sem buscar soluções) Jamais!
"Lançou um desafio!"
...Quando o homem vence a si mesmo encontra a paz!
Ainda que todo o mundo seja um lugar sombrio!

Reuniu a metade dos seus bens em espécie...
E dividida riqueza, a estipulou por premio
Excêntrico e estimulado!
Se misturaria ao povo, disfarçado
de indigente, e viveria como um ninguém!

E assim o fez
Escolheu a mais movimentada praça!
"Quem tem certeza desconhece o talvez!"
Se tem Amor existe suficiente graça!

Com uma carta que continha dentro uma mensagem e uma procuração...   
(Muitas vezes escrevemos fantasias e invencionices)
...Outras vezes para sermos completados devemos dar vida as nossas loucuras!
Quando se é livre de avareza, existe liberdade no coração!
"Ainda que contem a tua história e ninguém acredite"...
Basta apenas tu mesmo se encontrar que já venceu a sua procura!

A carta estava suja e amarrotada
Mas existe beleza?
"Sim até mesmo em um mendigo!"
Muito poucos são os que notam estão apressados em sua jornada!
E perdem a maior parte dos verdadeiros tesouros , quê parecem estar escondidos!

No meio do vai e vem da multidão atarefada
Um mendigo desfalecido anuncia:
"Uma carta por um prato de comida!"
Mas o fato de querer barganhar soava como ironia...

Muitos até paravam
E perguntavam...


Por quê tu não procuras um trabalho?
Alguma coisa para fazer?


E ele sempre respondia:
Estou fazendo, escrevo cartas!
Romances ficções e poesias...
O quê mais poderia querer?


"O mundo em si mais exige do quê oferece!"
Se estais no fundo e muito pouco tens...
Não importa o teu conteúdo poucos o reconhecem!
(Ainda bem) Quê Deus criou o alguém...


Por mais longa que sejas a tua espera...
Sempre colherás as flores nas estações de primavera!



Um esmero escritor sabe bem discernir olhares...
"Quem esse mendigo pensa que é?"
Pares e pares de olhares (julgamento aos milhares)
"Insolente esta carta suja não vale um mísero sequer!"



Até quê, Houve alguns oferecendo ajuda,
mas rejeitavam a tal correspondência!
"Se você quiser saber o resultado final de sua luta?( Então Não Fuja) 
O segredo de um puro sentimento está na indulgencia!



O dia já ia, bem adiantado...
O sol sorria, exageros de quente!
Onde há fugaz desejo, não há sonhador cansado!
Quando lhe faltar inspiração (Se-reinvente)


Bendito seja Deus que inventou o alguém apareceu
"Moço eu compro pelo prato de comida
o que você escreveu!"

A melhor coisa da vida e ser um alguém
que não necessite ouvir de ninguém
Para priorizar a vida!
Que acompanhada de gestos muito simples
Se torna cada dia  mais bonita! 


Este bom moço deu mais que um prato de comida
Deu respeito, consideração isso é valorizar!
Ainda existe muita beleza por ai nessa terra!
Ainda a muita esperança nos campos de guerra...
Ainda somos capazes de amar!


Aquele homem de posse da carta
Disse: " Vou guarda-la como está, lacrada!"
É um habito que tenho pelos sentimentos
Ao olha-la sempre me lembrara (do mendigo escritor na calçada)
Quê muito pouco dele, conheci por falta de tempo!



"Não existe sabedoria ou conhecimento suficiente"
Por dentro do mendigo  refletia o escritor...
As maiores riquezas no mundo ainda podem ser encontradas no coração de gentes!
(Poucos veem Poucos acreditam...mas...ainda...existe...Amor)



O mendigo saciado de sua fome
Muito feliz o agradeceu!
Um ultimo pedido fez aquele homem...
"Consentindo este prometeu"



Que sua vontade faria
Quando estivesse triste ou em dificuldades
Abriria a carta do mendigo escritor de poesias!
"Aqui só me enxergas em parte ai dentro está minha outra metade!"


Todas as coisas simples e bonitas dessa vida são provocadas insistentemente!
Algumas delas são:

"A bela mulher que escolheu não ser tocada"

"O homem de firme propósito para o desviarem de sua estrada"

"A lua cheia no céu"
(Para inspirar inúmeros poemas de cordel)

" E o homem de bom coração"
"A vida quer saber!"  
Existe Amor?
"Sim ou não?"



O mesmo sol que brilha pra todos
Faz alusão, "As mesmas aflições"...
Todos estamos sujeitos Todos!



Passado um bom tempo
Aquele moço que comprara a correspondência do mendigo
Viu assoprar sobre tua vida fortes ventos
" E quando estamos muito tristes nos sentimos sem abrigo"
(E para agravar, não passa tão rápido esses momentos)



"Nunca haverá crise tão forte ou momentos tão ruins"
Capaz de saquear as verdadeiras riquezas, guardadas dentro dos nossos corações...
Nem as pedras no caminho, nem as quedas sobre os espinhos!
(Hora de cumprir os votos e promessas que estão faltando)



Procurou entre os seus guardados
A carta que tinha o valor de um prato de comida!
Se lembrar que sempre há alguém pior (sempre tem) nos consolado!
Mas, as riquezas desprezadas podem te trazer as maiores surpresas da vida!


Ali dentro do envelope havia duas folhas escritas
A primeira trazia uma declaração poética :


Carta desprezada...


Quem há de me abrir?
Será merecedor de me ler...
Quando não tive motivos para sorrir
Comecei a escrever:


Se não existir amor
Também não existirei!
Se não encontrar tal leitor...
Eu desistirei!


 Se comprastes esta carta por um prato de comida
Certamente já és rico de outrora e trazes contigo esperança
Se semelhante a mim, encontrou enfado em tua vida!
"Em mim não há mais", mais em ti pode estar acontecendo agora!



Fiz um desafio
Uma experiência...
Pensava estar vazio
que o amor precisava ser provado por tal ciência!
(E que todo o mundo e um lugar sombrio)


 Das coisas pouco notadas da vida sempre escrevi  
E estas me trouxeram em excesso, recompensas
Por tais motivos como um mendigo me viu ali!
Um louco dando vida a sua própria ciência!


"Parabéns pelo teu nobre gesto!"   
Aguardo ansioso tua visita...



"Na segunda estava a procuração
E a localização do suposto mendigo escritor"...

(Se eu for perguntado) "Foi verdade ou apenas Ficção?"
Só vou responder "Foi Amor"...


Fim...


"Uma carta por um prato de comida"


Autor:


Lourisvaldo Lopes da Silva.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Fui ver El' burro...


Fui ver el'burro... estava no pasto
...Este estava verde e abundante
O burro estava com cara de ingrato...
(Ruminante inconformado) olhar distante


Ei labutário o quê te afliges?
O quê te empacas com cara de solidão?
Se tens alguma falta, porquê não exiges?
Se algo lhe for negado, retenhas tua prontidão!

El'burro continuou em silêncio...
Agora sou (eu) com cara de bobo!
"Quem nada reclama nada convence"
Agora sou (eu) o vilão? (com cara de ogro)

Fui ver o burro e aprendi:
Com o olhar ingrato e a cara na solidão...
Ninguém nada há de conseguir!
Remoendo ervas daninhas (abundantes) em seu colchão...


"Não quero mais ver o burro!"
(eu) Mesmo vou seguir estes conselhos
Mais quê rápido guardei o espelho
E nunca mais me vi (tão burro) Tão assim!

Eu juro! E esconjuro!
E ainda sou capaz de conjurar!
Deixei de me afastar D'el'burro
Foi quando deixei de ruminar...

Não regurgito!
Onde há abundância
Mora o desperdício
Santa mãe da ignorância
Sabemos muito pouco
aproveitar
E vamos morrendo aos poucos
se não aprendermos falar!

Aquele que muito esnoba 
Nada tem para te dar!
Então não me estorva
"O burro aprendeu falar!"


O quê não me serve
Incomoda!
Se o silencio me persegue!
Sempre haverá quem me roube...

Deixei o ser (burro) E voltei...
Para a justa razão dos meus fatos
Uma ultima vez o avistei
Estava livre correndo pelos pastos!

Fui ver  El'burro....


Autor :



Lourisvaldo Lopes da Silva

Menina...



Menina...quê não cresce nunca
E nem menor se faz
Para tê-la sempre junta
Serei para sempre menino rapaz



Só um pouquinho mais maduro
Não muito a sua frente
Um menino ousado pensando no futuro
(Menina vou cuidar muito bem da gente)


Nosso guarda-roupas vou encher de ursinhos
E em formato de coração várias caixas de bombons
A nossa cama enfeitaremos com muitos carinhos
Música romântica e suave nunca há de faltar em nosso som


Brincadeira séria durante o dia
(de gente grande) de homem trabalhador
Ao cair da noite,  minha menininha...
Escreverei sempre novas e belas poesias
A maior recompensa, ao menino quê sonha ser escritor

É ter você!  Inspiração! Minha...

Tua doçura e fragilidade de mulher
Completa,e farta a minha mesa de alegria
Dois inocentes quê sabem bem (o quê quer)
Pararmos de contar os dias

Impossível será parar o tempo...
Mas não o nosso sentimento!
...Amor...

  
Sem malícia ou maldade
Sem ódio ou orgulho
Sem preguiça sem vaidades
Apenas Amor quê não envelhece
Se garante no futuro...


Minha menina
A gente se merece
Se conhece
E jamais termina....



Menina...


Autor:


Lourisvaldo Lopes da Silva

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Complete o nosso livro...




Alternando páginas
As vezes, eu mesmo me escrevo...
Em outras, coração se cala
E esperando pôr você, eu me vejo...
  

Não passe tão rápido (assim) pôr mim
Complete a nossa história...
Ainda falta você bem aqui (   )
Qual será a minha trajetória...

Se você não existir?


Traga todos os teus versos
para viverem na nossa utopia
Reuniremos todos, os sonhos dispersos...
Para dar vida,a mais bela de todas as poesias
...a...nossa...poesia...

Nessas páginas em branco
Infinitas linhas (te esperam)
Dois corações, um mesmo encanto...
Minha inspiração...
(o teu escritor te espera)

"Essas entrelinhas" sim são elas
Que falam, e muito, permeando entre essas letras...
vai seduzindo os rascunhos inacabados
quê estão se contorcendo na gaveta
Deste teu coração apaixonado

Venha viver nesses campos em branco, comigo!
E nas planícies de nossa quimera
Plantarmos o nosso trigo
E reinventarmos a dois nossa primavera

(páginas em branco te esperam)

O livro da nossa loucura
Nunca distante do nosso coração
Quem poderá deter essa nossa aventura?
Terá de ser capaz de pisar neste chão...

Terra proibida aos limitados...
Paraíso de sonhos infinitos
No coração dos apaixonados...
Não há lugar pra indecisos...

Complete o nosso livro...


...

Autor:

Lourisvaldo Lopes da Silva

A força....



Até pouco tempo atrás
Me estribava no quê tinha por força...
...Quando se têm tudo....
O quê se procura
Chamando, sempre há, quem ouça!
Amizade pra mim?  " Sinônimo de paz! "
Guerras?   Um problema do mundo!
Bens (e muitos)  "Sinônimo de fartura!"

Um certo dia não houve mais dia...
Eu chamei e ninguém me ouviu
Gritei com voz pouca e rouca
(essa ecoava baixinha)...sozinha..
Sem os bens quê outrora existia
Quem me procurava? " Desistiu!"
Guerras? Agora são as minhas....

Solidão não quer conversa...
Saudades são muitas (nada mais resta)
E a dor? Ah maldita dor...
Tinhas de existir?
Essa é a única que se apressa
engolindo o meu chão...
Lágrimas pôr faltar amor
Rasgavam o meu coração...

Aonde estás "Oh meu orgulho?"
Meu braço forte
...Incerto e inseguro....
Desejei a morte!

Apenas não a-procurei...
Pois foi tanto quê me cansei
(quê me enfadei)

Me vi vagar fraco e em trevas...
A minha tola vaidade
(Meu eu pela metade)
Viver ainda quê sem querer
Acaba acertando do tanto que se erra...

Os dias turvos iam passando
Não havia nada a se fazer...
Eu amava o fim se aproximando
E nada nem ninguém para me deter

"Vida amarga Vida" me provava
Quê viver é a arte da vitória...
Força vinda (quando mais nada restava)
Tenha em si apenas em si sua glória

Tudo passa aprendi
Tudo volta acredite!
Com novos amigos sorri
Um novo alguém ouve minha voz
E não resiste!
Ambos eu e você não estamos sós
 Perca seu medo de viver e de perder
A verdadeira força quê existe está dentro de você!

Guarde bem essa palavra:

-Quando findarem suas armas
-E não encontrardes aliados
secarem-se as lágrimas
Do coração dilacerado-

Se escolher viver mesmo fraco será forte
Se seguir adiante tudo ficará para traz
"Meu bom amigo" isso não e sorte
É força!! É vida!! Antônimo de paz !!

É Guerra...
De um homem só...

A força...

Autor:


Lourisvaldo Lopes da Silva



Joel 3;10
 ...diga o fraco: Eu sou forte.  

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

"Pode existir!"



O quê desejas sobre esta cama?
Quando foges de sua própria vida
Olhos fechados desejos em chamas
A se perder...A ser perseguida...

Quem habita em teus sonhos?
Quê a encontra carente...
É não consegues reagir?
Não o negas...Não mentes!
Não consegues mais fugir...

Quem a perseguiu o dia todo?
Em imagens e lembranças...
Assoprou sobre ti...Despertou este fogo...
Não há mais saída, (não existe fiança)
Resta-lhe apenas uma vida
(Uma vida de esperança)


Seria Eu? Teu consorte?
Responda-me? Minha rainha?
Sou eu o dono de tamanha sorte?
Serás tu...Sempre minha?


Ah se eu pudesse assumir essa forma
E teus sonhos pudesse invadir
E carente é apaixonada a encontrasse
Deste sonho não conseguirias mais fugir
Até que me realizasse


Ninguém nunca vai saber teus segredos...
Não há quem possa em teu sonho entrar...
(Mas posso ser o seu medo ou o seu desejo)
Posso te perseguir?...Posso te agarrar?
Posso te fazer sorrir? Posso te fazer calar...
Se eu puder...te...beijar...
Posso-te? Fazer calar...


Vamos fazer assim...
Finja está sonhando...
Chame por mim...
Estou te desejando...


Nada é real sem antes ser imaginado
Não existe fantasia sem inspiração
Nada é encontrado se não for procurado...
Se existe magia ela esta ai dentro do seu coração...

(E eu estou aqui...Sua canção)

 ...Paixão...

Autor:


Lourisvaldo Lopes da Silva

"É Sina!"



Não fujas! Não se escondas!
Não pare! Não se mostre!
Não finjas! Não respondas!
Não tarde! Não revolte!


Aprenda! Ensine!
Fale! Ouça!
Se-renda! Se fascine!
Repare! Promova!

Inevitável! Distante!
Suficiente! Pouco!
Afável! Instigante!
Atraente! Louco!


Presente! Futuro!
Noites! Dias!
Ausente! Seguro!
Afoito! Harmonia!


Sinal da sorte!
Marcas do azar!
Final de morte!
Arrastas ao lar!


Mortal e predestinado!
Vivente inconsequente!
Se fosses imortal
ainda estaríamos despreparados!
Insulficientes!


 É vida programada!
Dias contábeis...
Ações e reações Matematizadas  
Dos seres inevitáveis!


Quem chora? Quem mama?
Quem implora? Quem chama?
Quem queima? Quem resfria?
Quem teima? Contra os dias?


Fala aqui! E aqui em...Sina!
Azar? Ou mérito?
Há um porvir quê rima!
E outro a se encontrar em debito!


Vai...Deixa...cumprir
Ou...fique...cumprir-se-á
Vai...pode...sorrir
Vai...pode...chorar...



Aqui não existe fuga
Nem intriga
Apenas aluda
Persiga...


"Viva Viva é Viva!"
A verdade  Afirma!
"Viva Viva é Viva!"
"É sina É sina É sina!"

"Viver é Dever!"


Autor:


Lourisvaldo Lopes da Silva

domingo, 24 de janeiro de 2016

Eustáquio e Olívia...Predestinados...



Parte: 1   Olívia 


Meados de abril, as precipitações das chuvas se acalmaram
E a chegada de um sonho permeava amena ao calor e ao frio

Nove meses, Rui Otavio de lima e sua esposa Elvira aguardavam
e no iniciar da noite do dia 16 ,uma serena chuva serôdia caia
e os ventos sussurravam doces assobios,
Demonstravam respeito a essa alegria


Nessa terra distante a parte das grandes evoluções
Naquela linda casa de assoalho de madeira
Surge o conforto aos corações

"É menina!" Jubila Donana a parteira!


Como se sente a chegada do frio a pequena Olívia também  se-descobria
Berço eterno é o coração dos  pais
porquê (apenas o tempo conta os dias)
E o homens jamais deveriam se esquecer de seus ancestrais

(Suas origens não a perca jamais)


Parte: 2    A infância de Olívia...



Como as flores, (sendo ela uma delas) também aprendia com o jardim
"Crescia como o vigor dos ciprestes"
E sua doçura podia ser sentida como os aromas dos jasmins

Igual ao exibir dos ipês, atraindo a atenção
e com esmera beleza fecunda, agradece!
Assim também se exibe o bom coração

No vai-é-vem da balança
Tão bem segura ao braço forte do cajueiro
(a vida inteira deveria ser como a infância)
Dias vão Dias vêm,
A pequena Olívia como os novos rebentos também cresce ligeiro!



Parte:3 Olívia adolescente




Jovem Olívia apaixonada pelos estudos
Paixão esta (herdada)
Rui seu pai (escritor) E sua mãe inspirava (de tudo)
Tá ai, o seu legado Olívia!!
 Ser (encantada)


Andreia, Letícia e Rute (suas irmãs fora de casa)
Boas amizades crescendo juntas vão mais longe
"Sonham mais" é mais rápido aprendem a usar suas asas
E pra toda pergunta inventada
(inventando) elas se respondem


"Nada é impossível Nada"



Parte: 4   "Moça"



Cada dia que passou por ela deixou uma dádiva
A surpresa (o futuro) trazendo o presente se aproxima
Escrevendo-a página por pagina
Rima após Rima!


Moça prendada
Discípulada nos mais belos jardins
Aonde a verdadeira beleza
E encontrada
para ser sentida como o perfume dos jasmins
Deve se viver com muita certeza!

Não retenha a relva a se alastrar pelo chão
Nem as lembranças do primeiro amor na noite de luar
A voz que entremeia reinos e fantasias vêm do coração
pequenas veias na batida fluente
 se entornam em rios que desejam o mar                 

(Olívia isso é coisa de gente, isso é amar)



Parte: 5  Amor?


Olívia o que é amor?









"O olhar repousado"
Foi (além de minha casa)
"Para junto de outro olhar apaixonado"
(E um pensar involuntário, que não passa)









Parte: 6     Eustáquio...



O céu rugia no mês de dezembro
Motivos em dobro nas casa de Abraão e Yrairdes
Para comemorarem no natal
Como se fosse hoje ainda me lembro...
e quem conheceu Eustáquio (sabe que não existe outro igual) 


"Menino Jesus" Aproximando as famílias
E os sonhos de seus pais, alcançando a realidade
As nuvens densas se aproximaram bem perto da terra nesse dia
A vida recém-chegada agradeciam
 (Deus mais uma vez mostrou sua Bondade)



Parte: 7   "Deus Está Aqui Olhem"... 
                 


Agradecia Abraão abraçado a Yrairdes
Lágrimas de alegria (recordavam)
as dificuldades durante a gestação
Um casal devoto, a Deus gratos, se abraçavam
Tendo no colo o fruto dessa vide





 Parte: 8 A infância de Eustáquio


Ali na pequena vila aonde apenas de evolução (era pobre)
Crescia ele em honestidade e aprendia muito vivenciando com o tempo
Abraão e Yrairdes deram a ele uma riqueza que não há quem roube
Nada terá valor se não tiver vida nos teus sentimentos
Viver bem e viver com amor!


A terra (mãe preservada) daquele lugar
Ensinava o menino (enquanto brincava)
 Na sombra rala dos mandiocais
Aprendeu que a verdadeira riqueza, deve esta bem plantada
Mais do que frutos no ventre da terra encontrava!

Encontrava paz...




No pequeno riacho cristalino
Se encantava com os pequenos peixes
Pequenas lições, transforma em grandes homens (meninos)
De gratidão herdada, tudo que aprendia bem guardava em seus próprios feixes!



Quatro pés de manga para este menino era uma imensa floresta
Caminhos de gente desenhava pelo chão
Jaboticabas maduras era aglomerado de pessoas no fim da rua
(E as verdes eram os convidados para a festa)
Abacates e mangas eram casas e barracões
E a sombra da mangueira era o brilho da lua


 Parte: 9  Moço novo...



Nosso pequeno homenzinho
Cochichava Yrairdes todos os dias a Abraão
O jovem que cresce em meio a tanto carinho
(Aprendeu tão bem o quê e gratidão)
Sempre colhendo bons amigos jamais se via sozinho...


Falando de sonhos no corredor da escola
e na hora do recreio
Se revezavam em algazarra disputando a única bola
A vida por todo o lado devia ser assim livre de medos e receios!


Eustáquio Crescia calmamente
Como a esperança dos futuros mandiocais
Cada pedaço da família é uma semente
E assim se gera vida, e assim vida se faz!



Parte:10 Eustáquio Rapaz


O pequeno vilarejo e como o pequeno peixe do riacho cristalino
A pequena cidade vizinha chamavam de cidade grande
"Olha Abraão" (disse Yrairdes) Temos de nos mudar!!
Já e homem feito o nosso menino...
E logo logo vai se formar!
Nos desejos dos filhos os sonhos dos pais se expandem...





"Desejava ser escritor"
(Da vida queria contar)
"Desejava ser professor"
(E do quê aprendeu ensinar)
"Desejava ser doutor"
(E a tristeza dos outros poder curar)








Parte:11  Amor?



                                                                                           Eustáquio o quê é amor?


Ainda o descobri em meio a mudança
Ao passar pela praça nosso olhar se cruzou!
(Amar deve ser isso) Não conseguir apagar da lembrança
Aquela que o meu coração enxergou!






Parte:12  Eustáquio e Olívia...Predestinados...



Olívia era simplesmente inspiradora
E Eustáquio encantador
(Ela seria professora)
Ele seria sua história (E o seu escritor)



Chuvas serôdias e nuvens densas
Dezembro é Abril aproximaram
Amor e tenro,forte,meigo e arrebatador de tamanha inocência!
Se olhavam fixamente sem saber do quê se lembravam!


Enquanto se aproximavam um do outro
Dias passando e os deixando mais enraizados
Dos jardins Olívia era vista como os belos renovos
As mangueiras predestinava uma grande festa
O luar de suas sombras protegiam o futuro apaixonado
E os pássaros já se comportavam (para serem futura orquestra)
Eustáquio e Olívia...Historia iniciada agora Lado a Lado....



....Continua....


Autor:

Lourisvaldo Lopes da Silva   

sábado, 23 de janeiro de 2016

Ávido Amor...


Mulher quê existe
Em minha vida...

Quem traçou esse plano?
Quem plantou as estrelas neste céu?
Quem desenhou o sorriso deste sol?
Mulher quê existe em minha vida...

Quem a fez surgir
A fez tão linda
Em ti nada há falta
em minha vida
(És tão linda)

Quem deu a esta lua o brilho?
Quem tingiu a primavera com estas cores
Ouviu este indeciso...
(E o cercou de amores)

De onde vem este teu sorriso?
ao meu encontro brotam as tuas palavras
É deste amor quê eu preciso
Essa tua paixão quê não se  acaba...

Quem plantou no meu coração este amor?
Que atendendo a minha vontade...
Ordenou ao sol faça calor
E se recolha a cada fim de  tarde
Esse mesmo me trouxe esse amor

Mulher quê existe em minha vida
Quem ordenou a saudade?
Para representa-la
Ávido querer que me invade


Se deparou frente a frente com teu olhar
é meus ouvidos se declaravam a tua  voz
Quem foi que nos preparou para amar?
Agora não mais importa...Tudo se cumpriu
Na nossa historia não existe volta,
A lua se entregou é o mar rugiu!



Autor:




Lourisvaldo Lopes da Silva

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Chorar? "E porquê não?"


Se esforço, gerou apenas cansaço
Sonhos serão  apenas pesadelos
Bem perto (temível)  fracasso
Coração foi quebrantado
Melhor não detê-lo

As esperanças (não) mentem
Não!!  Não...vais resistir
Bons amigos quê me convencem
Há tristeza dentro de mim

Outrora
Traz-amor
Outrora
Traz-dor

Outrora
Foi-de-alegria
Outrora
(Ela-me-agredia)

Ah... solicito e impregnado
O quê será do tempo vindouro?
Se quer desabafar calado
Te argumentas ao choro

Esse traz uma revolta
Uma dor sem prazer
Entre soluços muita coisa volta
Lágrimas molham o chão
Adormecidas vão rejuvenescer
A dor de um coração
Faz o homem crescer

Crescer pra, quem?
Surgir aonde?
Pensando bem..
(Melhor)
Se esconde!

Se esconde pra chorar....
Fortes também se socorrem pelos cantos...
E necessário (mas não vão me escutar)
Estou aos prantos!

"Pra quem pediu um novo recomeço"
Chorar pode não ser o fim!
Quando se perde desejando
sempre  haverá  um novo recomeço

Não estou reclamando
Apenas chorando
Apenas recomeçando!



Chorar? E porquê não!

Autor:

Lourisvaldo Lopes da Silva

Nem eu sei quem eu sou...


E se eu for? O quê serei?
Se eu ficar, quem sou!
Não o bastante,eu, me encontrei...
Nem o suficiente ,me, encontrou!

Para saber quem é...
Compreender o quê há!
Apenas contar com a fé...
Apesar-de-pesar...

Explicar o quê, nem eu sei...
Encontrar aquilo quê busca!
Se nem eu mesmo, me encontrei...
Ah...e...como...foi...ferrenha...essa...luta!

Posso lhe dizer quê venho do nada...
Posso lhe afirmar, não sei de tudo!
Logo quê entendi as estradas...
Comecei a procurar pelo mundo...

A minha porção de alegria...
O meu lugar nesse calor...
Escrevendo muitas poesias...
Acreditando ser amor...

Mas me é estranho...
O lugar da onde venho...
Nunca perco (jamais ganho)
Apenas confuso,mas nunca, desdenho!

Nunca pisei em uma mão estendida...
Nem me escondi do olhar acusador!
Não me chamem de vida...
(pôr favor)
E nem tão-pouco amor...

Porquê não me conheces...
Sou um ser em formação...
Na esperança das preces...
Apenas um embrião....

Capaz de tudo
Incapaz como o nada
Um absurdo
Em sua jornada

Pode me chamar de semeador
Caminhante em meio ao deserto
Aonde encontrei a mais bela flor
Amor de braços abertos

Para quem este escriba?
Escrever-e-escrever...
Versos lançados para cima...
Só assim poderás me entender
na descomposição de minhas rimas

Não gosto de ser chamado de louco
Mas ainda assim o sou
Um mero menos quê o pouco
Quê ainda não se encontrou!



Lourisvaldo Lopes da Silva

 

Amor a poesia...

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Eu só queria poder...



Poder para ficar...
Querer e não partir...
Poder para amar...
Querer e não desistir...


Queria tanto, poder...
Estou a coexistir...
Queria ter você...
Poder, sorrir...


Teria a força...
Do calor...
Abraçado a esta moça...
Poder do amor...

(apenas ouça)

Para realizar teus desejos...
Poder nas minhas mãos...
"Poder é ter" 
todos os seus beijos...
E compreender perfeitamente o teu coração...



Descobri que eu posso...
Que eu devo...
A este encanto nosso...
Poder de repelir o teu medo...
Atender teus ensejos...


(e desvendar os teus segredos)


Poder das mãos ao tocar o teu corpo...
Poder das palavras a sussurrar em teus ouvidos...
Transformar em muito o que era pouco...
E dar vida as fantasias que trazemos escondido...



Fazer surgir o teu príncipe e o teu leão...
"Poder",  " Ter" e cada vez mais "Querer"...
Colher flores em qualquer estação...
Cultivadas em você...



Amar nem sempre é poder...
(Mas pode ser que deve)...
Amor na maioria das vezes é querer...
(Mas pode ser que se entregue)...


Se isso acontecer...
Me leve...
Com você...


Pois sou poderoso...
Torno-me o quê desejar...
Simples, mágico e bobo...
Este meu poder de te amar!!



Autor:




Lourisvaldo Lopes da Silva



lorisvaldolopes.blogspot.com.br

"O vencedor"


Não existe primeiro lugar
Para instigada disputa
Pequenos, rios ou mar
Pobres ou ricos
Pôr aqui todos se resumem em luta


Já vi resmungadores chegando ao fim
Já vi empolgados, caírem na metade do caminho
Ai do homem (maldito) se pensar assim
Não preciso de ninguém irei sozinho


Não-é-disputa-é-luta
Não-é-dor-é-amor
-Muitas dúvidas e perguntas
-Ajudas e favor-


Quem há quê insista?
Quem há quê deseje?
Estenda ao longe tua vista
E se empenhe com muita sede


Vencedor quê tanto perdeu
Vencedor quê nunca desistiu
Quantos sonhos morreu
Contando apenas com a realidade
Prosseguiu!


Indo de encontro as tempestades
Desejando o sol do outro lado
E quando tudo se escurece
Ouvimos (e tarde!)
E na incerteza se intromete
"Eu "Quero chegar  do outro lado!"


Este e seu maior sonho "Chegar"
Desejado dia após dia
"Eu vou chegar!"
Noite após noite se convalescia


A vida te assiste de pé!
Sabes quê vais chegar!
Perseverança tornou-se fé
E já lhe reserva teu lugar


Não-é-disputa-é-luta
Não-é-dor-é-amor
-Viver e uma busca
-E lutar já o torna um
-Vencedor!-


Autor:


Lourisvaldo Lopes da Silva


lorisvaldolopes.blogspot.com.br

....Procurando por você...

 
 Sai por ai, sem rumo pelas ruas da cidade
Perguntado, apenas respondia...
Sofro do mau da saudade
Amo muito e com amor de Poesia...

Amor sem rosto, sem aparência
Amor simples...(Simples demais)
Busco um olhar que tenha inocência
Procuro um amor, como buscam a Paz...

Para encerrar a minha procura,
E para descansar o meu coração
Sou igual os versos em suas aventuras
Preciso acabar de vez com esta solidão!

Por isso jamais me canso
Jamais me dou por vencido
Vou conseguir um dia eu encontro
Este seu amor, que esta escondido

....Procurando por você...



Autor:


Lourisvaldo Lopes da Silva.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

A louca solidão



Bastante pensado na proposta do silêncio
Na turvidez do quê me resta
Bastante calado
Tão só como as dúvidas do medo
Existe solidão?

"Mas não há quem-mo responda"

Se há se esconda!
Se estou só, não quero ter nem ver


Me assombra esta louca
Sem roupa
Invisível
Mais louca
Impossível!


Quando completamente se cala
É forte a subida
Ainda assim este caco se embriaga
No refugio desta bebida


Louca solidão, me surpreende
Me  faz chorar
Me faz sonhar
Me torna sem preço e a qualquer
Desejo me vende


Sou muito fácil de se roubar
Ela me mostrou tanto
Quê me senti carente...

Pôr favor???
Aonde encontro
Amor???
Calor de gente?


Louca solidão...Alimentaste-me com sobras
Para que esperança não ousasse
A minha alma esta mesma quê roubas
"A ela ti entregastes"

Se vestindo de recordações
Sedutoras ilusões

Para brincardes de passado
Com a minha cara
Maldita saudade estou pôr ti apaixonado
E está louca solidão
Não para!!


Autor:


Lourisvaldo Lopes da Silva

Só...Risos


 

Rir do quê?

ENE Á O TIL
 "Não"    Sei
Sei lá Ria a toa
Riso e que nem conselho
Tá vindo por ai coisa boa!

E totalmente de graça
Precisa de um bom começo
(talvez uma simulada pirraça)
Advertência:
Brinque com moderação
Nem todos tem igual apreço
rsrs(depois num vá alegar inocência)


Ou então negue
isso "De uma de joãozinho sem braço"
Mas não se entregue
Faça cócegas, conte piadas
ninguém tem nervos de aço
Depois com (inocência alegue)
Eeeeeu??? Num fiz nada!


Sorrir faz bem,
E quando aquele amigo sem graça
dá uma de refém!
Nem ele consegue sorrir direito...
E a vergonha(rsrsrs) Quê parece que não passa!
No fim descobrir que ninguém e perfeito
Torna qualquer sujeito desengonçado
tendo no fundo no fundo (bem no fundo) rsrs algo de engraçado

(Que nem eu não sou bom comediante)
Mas sou bom espectador
Gosto muito de pessoas hilariantes
Fã de carteirinha do bom humor!

Se tu não quiser sorrir "Não sorria"
Nem todo mundo gosta de mostrar as canjicas
Vá me dizer que vc não sabia?
Eu sei que é (desculpa de comediante rsrs) Vai lá insista!!

Fazer alguém feliz
sorrindo a beça
Somos como (atores e atrizes)
E a vida seriamente  devemos considerar uma grande festa!


Feliz dia do riso pra todos
Uma homenagem do Cãozinho Só...Risos!


http://lorisvaldolopes.blogspot.com.br/2016/01/engracado.html





Desce dai minina tu se machuca sô!!  kkkkkk
(tá bunita d+ ai ) rsrsrs !

Pode participar sim lógico que pode, Pode não deve!!
Todo mundo deve participar, são inúmeros os benefícios de um sorriso!
Faz bem ao coração exercita os músculos faciais,
e quando estamos  sorrindo
entra muito mais ar nos pulmões, auxiliando no nosso sono
(ora ate sorrir cansa)
Mas um cansaço bom pode chamar de relaxamento!


E ainda leva de brinde:
 tratamento antirrugas
Tratamento psicológico
Fortalece o sistema imunológico
Dá uma acelerada boa no coração
E libera mais endorfina no cérebro

Enfim e só alegria!!!

Agora vai desce dai logo..Não espera ai!!
Fica ai assim e mais engraçada
e já contribuiu com o dia internacional do riso!!

Tu tá muito engraçada ai minha (amiga girafa)
kkkkkkk

Feliz 18 de janeiro a todos!!

Sorria!! Jesus te Ama!


 http://lorisvaldolopes.blogspot.com.br/2016/01/sorisos.html

domingo, 17 de janeiro de 2016

Declaração de Amor




Para provar-te deste meu amor por ti
Escrevi-lhe esta declaração


 Todo o meu corpo tornou-se um livro
(o seu livro)


Um manual para se vivido,
 traduzido em poesias
Precisaras de muito tempo para me ler


E eu precisarei muito de você ao meu lado,
 e por muito tempo


Para transcrever este passo a passo
Que é  teu por direito



 É apenas uma sincera declaração
a se desenrolar no ritmo do tempo



Logo pela manhã (todas elas) 
leras o iniciar de mais uma pagina 



Preciso ser foliado por suas mãos
nessas linhas 
a historia de nossa vida


A declaração do meu amor
é extensa... 
e propensa...
Ao teu amor


Então leia-me atentamente
É por você que me escrevo
Quem é capaz de amar?
Convence...
E quem declara 
não pede segredos...


Amor quantas vezes quiser posso falar 
Quantas linhas quiser posso escrever

Mas só há uma forma de o provar
Você deve estar disposta a ler...

Minha
Declaração de amor...

Autor:

Lourivaldo Lopes da Silva

lorisvaldolopes.blogspot.com.br

#Lapide#

   


Quem se ausentou de mim?
Para castigada sabedoria
Deveria existir ?Sim? 
#Um #fim#
Por trás desta lapide jaz uma #poesia#

Quantas vezes fostes despercebida
A perfeita maquina das inspirações
Versos louvando breve vida
Quê saudade destas canções

Canções desentoadas
como as tentativas de cada um
Agora jaz minh'alma enlutada
Igual a ti, não há mais, em lugar algum... 

Se pudesse pediria-te perdão...
Mesmo que nunca tenha errado
Em-ti faria nascer um novo coração
Mas (não posso) 
 Tê-lo aqui do meu lado
Mas não posso
Sofrer calado

Preciso contar 
Preciso lembrar
Preciso amar
Preciso chorar

Preciso ser consolado

Tragam-me aqui poetas, até esta cripta
Para consolarem tamanha tristeza
Porque neste mortal as palavras não gritam
E este silencio mórbido ceifa a ausente beleza

Das lembranças quê se recusaram ao adeus
O meu abraço, meu carinho desta presença
Foi-se pra longe mui longe, Descobrir-se ao lado de Deus
Mau-dita tristeza dedica aos vivos  a lacuna dessa inexistência
Sem que se permita sem atender há exigências

Ficaremos sozinho não há como impedir
#(sozinhos de ti)#
E ceifeira saudade, me lacera o coração
"Não há mais como fugir"Não-há-mais-como-fugir-
Versos em luto, a sofrer recordações!
"Solutos e a sós com nossas indagações"

Nos somos a poesia viva
a qual  o Grand-Poeta
Jamais finaliza
...continua...
Na lapide há orquestra
melancólica para o fim (apenas) desta vida...

E aqui fora
#Sempre será lembrado#
Para a alma que chora
Jamais terás passado
#Sempre será lembrado#


#Lapide#

Autor:

Lourisvaldo Lopes da Silva

lorisvaldolopes.blogspot.com.br 

Engraçado...


...
Por um momento
pensei estar feliz
(o tempo é mesmo ciumento)
E a vida é mesmo, uma atriz!

Engana
Quem gargalha
Pela fama
...Se atrapalha...

Seu Noel  (não era pai) mas sorria muito...
(como se oferecesse presente)
Mas todo mundo queria
O engraçado (é ser) diferente!

"Ora pois me esqueceram?"
Sempre bradava
Quando chegava
Amarilda em tom (provocante)
A esta mulher auto-falante
muitos se renderam...
Impossível esquecer-lá
mesmo estando distante...


Engraçado mas num era pra ser
eu estava ali meio contrariado
E vêm uma careta debochada me render
lá-me-vou sorrir mesmo estando despreparado

Era roberto
Magricelo
O esperto
Se achava belo

Mais parecia um cavaco
De aroeira
(cara de sovaco)
Apelidamos ele
O rei da brincadeira

Raimunda a desmentida
Aprovada pôr todos
De cara e bunda atrevida
Desmentia boatos
Engraçado éramos nós com cara de bobo
(Ai ai) ali estava ela,
perfeita uva no cacho obra de arte
Em todas as partes...

Nós sorriamos de testa enrugada
para não demonstrar alegria
Dava impressão quê olhávamos ao nada
Mas pôr dentro fervia

E quem nunca sorriu em meio a lágrimas?
Não conhecia o pedim
Diminutivo de pedro (pedro das asas)
A esquisitice tornou-se boa
e parecia não ter mais fim

Tá nervoso?
Leva o Pedim,pra passar uns dias na sua casa...

Pedim era tão sábio (precisava ver)
ate sua aparência virava arma
No meio das lágrimas fazia chuver
O engraçado era seu humor quê nunca se acaba!

E ainda para euforia
todo feiinho ainda dizia
(me pareço com você)
Rsrs ninguém queria
Mas sorria...(sem saber)
Porque?...

Muitas vezes me alegro mesmo triste
E vermelho de raiva gargalho
Lágrimas são fracas e não resistem
E eu, me encontro e me atrapalho

Tô triste?...Ou alegre?...
Penso quê nunca passei do meio!
Engraçado o bom humor nos persegue
(O bom humor) e (O bom conselho)

Antes de qualquer alegria
Não necessário ter o melhor
Mas tenha (bom) começo
para as demais coisas ele sabe o quê faz
Vai te seduzindo para a  felicidade
e esta vai dedicar-lhe um bom apreço

Engraçado esse tal de bom humor...

" Foi pioneiro"
Verdade!! Verdadeira!!!
Humor bom deve ter
Besteira brincadeira

Engraçado é (ser) iniciado...
Nunca existirá alguém tão feio
Nem alguém tão calado
Um bocadim de ousadia e receio
Para um coração parado
Felicidade e abstratamente  engraçado!


Autor:


Lourisvaldo Lopes da Silva


lorisvaldolopes.blogspot.com.br
Lorisvaldolopes

A Rainha das mandrágoras


Felicitava o palmilhado das encostas
Margeando o lagar das gratas vides
O nascer fluvial cristalino
atracava qualquer um, desatino....
E,se lequeava aonde a terra estendia as mãos
Plainado descansar de suas guerras

Lugar de lendas pairadas e sombreados temores
A rainha das mandrágoras...
apenas se revestia no útero sagrado da terra, de ser humano
Para amarelar a solidão das cores, suas mãos folheadas
de poderes e deveres (duvidosos),
Passear neste chão é pisar em teu seio
Mas não tenhas receio...

Pois ela está  ali aromatizando despautérias
e servindo maçãs polposas e amarelas...
E ainda assim não foi fada, nem bruxa, sábia, médica ou feiticeira
E tampouco perenizaram-lhe de remédio
Foi o tédio gritado de quem a arrancou
E desconhecidos os seus horrores
A levou...

...As sagradas escrituras
-as fábulas bem contadas
-alucinógenas aventuras
Se parece com o filho do homem,
-além do nada...
E quem anda por aqui ainda  a-si consomem...

Teus pés contorcidos e ressecados brigam no túmulo
Desejos incontáveis são os dias para a sua existência
"Me fez recordar  (Isaías 53vs2) 
Eu vi ele  surgir como raiz de uma terra seca...
Não tinha parecer nem formosura"...
(mas é a nossa imagem e semelhança)
Ou não será nosso o sepulcro
Essa mesma terra nossa ultima herança!

Aqui se planta aqui se colhe
"Tape seus ouvidos apenas olhe"
-a histeria da natureza pode matar uma raça
-e a bondade extraída de uma realeza
"Traz cura em uma taça"

-Somos todos raízes
-Alegres ou infelizes
-Somos todos raízes

Aonde há solicitude?
há maior cura-
há maior virtude-
sobrevivendo aos taludes
desta vide!

Mandrágoras, papoulas
flores e primavera
E todas as demais lendas vindouras
Temos muito mais a aprender em quimera
a irmã lucida das tolas!
Quê a muitos desespera...

Serve pão quê vive...
-A uma historia quê dorme-
Frutos amarelos desta vide
Para as fantasias disformes

"Ah rainha" das mandrágoras
estas encravada em uma rocha pura
de solos férteis, é só Artur's podem empunha-la
E a sabedoria quê todos procuravam
A este solo escava, alguns bem poucos
Apenas (destemidos é loucos)
Se aventuraram!


Creio que tua beleza se compare a poesia
(oculta) disforme (despercebida)
Em pé de igualdade na fantasia
As mandrágoras imitam a vida!
Quê grita por mais dias...


A Rainha das mandrágoras...



Autor:


Lourisvaldo Lopes da Silva



lorisvaldolopes.blogspot.com.br

Poema Flor em edição de video

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Flor....



Flor

Uma flor
nas copas roseirais

 A procurar amor
Se destaca entre as demais


Exibe-te-a-mim
A caminhar entre os espinhos
Embriago-me
Desejando-teus carinhos


(Flor apenas flor)
Posso-me aproximar
"Oferecer-te meu amor"
Posso-te amar?


Não posso te colher
...
Não posso te ferir
...
Não posso te esquecer
...
(Não posso partir)


...Flor... 
(Não posso partir)

Peço-te-por-teu amor
 Me deixe ficar aqui...

Por esta primavera
Me encontrei enamorado
Nesta aquarela
Tenho-eu-te encontrado

Que nome darei?
A cor dos teus lábios?
Que gosto darei?
Ao sabor que beijei?
Apenas Flor
Apenas o amor
Se veste de frágil
E sendo (forte) me entreguei...

Sem querer jamais ir embora
(roseirais) viverei por aqui!  
Por esta flor
peço ao ocaso é a aurora
Dias e noites sem fim
... 


  ...Flor....

Autor:

Lourisvaldo Lopes da Silva

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Sem falar de amor...



A abracei
trouxe pra junto de mim
sua boca eu beijei
sem pensar no fim
(sem falar de amor)

Falei teu nome
com todos sentidos 
É pronomes
sussurrei ao teu ouvido
(sem falar de amor)

Pra quê falar de amor?
Como o provar?
Apenas lhe cobri com meu calor
nesta noite não houve luar
Ouve (silencio)
(sem falar de amor)


Amor as vezes é mau falado,
é todas as vezes bem ouvido!
Mas eu tenho me calado,
prefiro amor assim (escondido)


Acanhado
calado
e (bastante)
....apaixonado


Vou dizer-te tudo
acende-la por dentro
Amor que se faz de mudo,
para se transformar
em sentimentos!


Sem falar de amor...


Autor:


Lourisvaldo Lopes da Silva


lorisvaldolopes.blogspot.com.br

Posses da imaginação...




Imagina minino ser dono de tudo...
Fazer o quê bem sequer
"Imagina minino ser dono de tudo!"
Sem essa de (bem-me-quer mau-me-quer)
(Apenas Bem-me-quer)


Imagina ser dono da terra
Apenas ver o brotar, e o colher
Nada se perde e tudo me espera
sem mim, nada estaria devendo
nada estaria acontecendo

Sol!! Faz arder (ardeu)
Nuvens!! Faz chover (choveu)
"Eu!"    Sim Eu!


O quê eu colocaria ali?
Perguntaria a Josina
O quê colocarei ali?
Responderia Josina
"Racemos de flores"
perfumadas de alecrim!


Eu completaria "Farei então também brotar"
Loiras, ruivas, brancas, mulatas morenas e fenótipas variáveis...
E todos bons aromas que me fazem amar
Amar perene, pretenso, intenso e incansável!


Teria uma venda no eixo deste torrão
que venderia de tudo é pra todos
Como a vendinha de seu João
compadre da metade desse povo
Dele aprendi essa lição:


Se eu fosse dono de tudo
ninguém pagaria por nada
(mas não se faça de surdo)
     "Eu disse Nada!"
E nada nunca tinha...


Transformaria seu joão e pronto
Seria compadre de todo o povo
Pois (nada) não haveria também em meu conto
Tudo seria para barganhar com o meu povo


 Uma canção por um dia de oxigênio
seria o preço mínimo
Cada poesia receberia (ar para um milênio)
Os apaixonados seriam eternos
livraria a terra dos frios de inverno
é sua posteridade nos salvaria do extermínio!


São nobres que vivem aqui
Posso imaginar
Minhas posses estão aqui
Consegues calcular?


A gravidade de cada pessoa
apenas o suficiente
para não cansar
Quem não estiver contente
"Voa!"
Sem muito se esforçar


Imagina minino ser dono de tudo?
O que mais faltaria...
A escritura já foi imaginada
Sem nenhum contesto
selo a minha poesia,
Possuindo a imaginação
não preciso de mais (nada)


 Agora minino é só usufruir
convida o sorriso de Estela
"Versos tragam-na aqui"
Vou espalha-la por essas aquarelas



 Sou homem de bens
honrado e magnânimo
Sei respeitar o meu bem
sem perder o ânimo


A emprestei para os realistas
para que lendo a imaginassem
A cada folha dessa revista
se fartassem 

E alguns Tomés de hoje em dia
Não perderam o habito da indagação
Minino já te disse aonde pisa a minha poesia
terras minhas
Posses da minha imaginação!



Autor:



Lourisvaldo Lopes da Silva



lorisvaldolopes.blogspot.com.br
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...